A BEIRA DO RIO, A BEIRA ESTRADA E A CONFORMAÇÃO DO TERRITÓRIO CAMPONÊS NO NORDESTE PARAENSE

Rafael Benevides Sousa

Resumo


Este artigo tem como objetivo realizar uma discussão sobre a conformação do território camponês a partir da interpretação de dois eixos de mobilidade que se desenvolveu no espaço amazônico. Como lócus de pesquisa para a compreensão aqui pretendida, partimos de um estudo realizado na comunidade de Arapiranga no município de Concórdia do Pará, nordeste paraense. A pesquisa nos deu embasamento para entendermos o contexto histórico de ocupação do Rio Bujaru e do igarapé Arapiranga, bem como a passagem do eixo de mobilidade para a estrada, PA-140. Como metodologia de pesquisa, usamos levantamento bibliográfico, afim de entender o contexto histórico de ocupação da região em estudo. A pesquisa de campo também foi um recurso importante, na captação da memoria dos camponeses. A estadia na comunidade ocorreu ao longo de 2013 e 2014, com muitas entrevistas gravadas, conversas informais e observação do cotidiano das famílias. Ao longo do texto, apresentamos o contexto histórico de ocupação que se deu na bacia hidrográfica do Rio Bujaru e a conformação da estrada na Amazônia. Por fim, atentamos para o processo de territorialização camponesa em Arapiranga, bem como para a transição do eixo de mobilidade da beira do rio para a beira da estrada.


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.